29 de jun de 2010

Chegaram as férias!!!


Recados Para Orkut

As mais lindas imagens de Férias; clique aqui!

Olimpíadas Escolares 2010!




Parabéns

2º Lugar nas olimpíadas Escolares/2010
Fase Regional em Campos Belos - GO (Vôlei Infanto Masculino)
7º ano 'A'
8º ano 'A'

9º ano 'A'

1º Lugar Atletismo Salto em Distância
Classificada para a Fase Estadual
7º ano 'B'


Homenagem ao 6º Semestre _ EJA

Homenagem ao 6º Semestre _ EJA









.

.

.

glitters

28 de jun de 2010

Curso: Escola que Protege









FACULDADES INTEGRADAS IESGO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE GOIÁS

ESCOLA ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS


DIRLEI ANTONINHA TESTA NICHETTI

JURACY ALVES GADELHA

MARIA INÊS NOGUEIRA PÔRTO

MARIA RODRIGUES GOMES

MARILDA BISPO DE SOUSA BRAGA

ROSINEIDE ALVES MACHADO DOS SANTOS

TÂNIA MARIA MARQUES





SEXUALIDADE, DROGADIÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR












Formosa – GO

Junho/2010

1. APRESENTAÇÃO


A ideia de implantar um projeto diferenciado na Escola Estadual Presidente Vargas, em Formosa-GO, tem o intuito de promover a saúde, a cidadania, o espírito de grupo e especialmente o construtivismo, onde cada um é capaz de contribuir com ações simples e pequenas, mas muito eficazes na visão de mundo individual e coletiva. O tema nasceu da angústia do corpo docente e servidores da instituição de ensino citada, onde diariamente se deparam com situações inusitadas ou atitudes fora do comportamento habitual aceito na sociedade, e essa vulnerabilidade causam transtornos ou resultados negativos para o desempenho escolar da mesma, além de gerar inúmeros fatos envolvendo os pais dos adolescentes de nossa comunidade.

Para o sucesso da implantação da ideia e todos os detalhes do projeto como um todo na política escolar, os gestores, a direção, os professores e os profissionais de vários segmentos devem elaborar regras ou metas claras e delimitadas, com uma linguagem simples e voltada para a realidade escolar dos alunos, um projeto pedagógico que abranja os direitos, os deveres, as virtudes e especialmente as atitudes de cada um. Esses adolescentes devem estar cientes das situações cotidianas e da vulnerabilidade diante dos problemas futuros, suas relações, causas e consequências que promovam a ascensão da vida física e mental.


2. JUSTIFICATIVA


Preocupados com os transtornos das situações envolvendo nossos adolescentes e dos riscos possíveis quanto à violência e as doenças, nós do corpo docente e direção estamos dispostos a colocar em prática ações voltadas para a promoção de saúde e qualidade de vida, não ações de cura e sim preventivas. Há uma grande dificuldade em nosso ambiente escolar devido ao precário nível social dos nossos alunos, no qual pais e mães saem à procura do sustento e seus filhos ficam a mercê do liberalismo, consumismo, abusos sexuais e escravos de diversos tipos de vícios.

Essas mesmas famílias só enxergam os erros e os problemas quando eles se adentram em seus lares, facilitando cada vez mais a dependência doméstica e o despreparo para agir nas situações ou vícios já instalados, por isso nossa preocupação está em orientá-los e prevenir. A imprensa falada e escrita diariamente apresenta dados e estatísticas envolvendo os jovens sobre o uso de drogas e a sexualidade aflorada, jovens cada vez mais curiosos que cometem os mesmos erros, mas esta mesma imprensa pouco ou quase nada faz através de projetos ou ações sociais, com a intenção de resgatá-los em seu ambiente de escola ou de sua comunidade.


3. PROBLEMATIZAÇÃO TEÓRICO-HISTÓRICA DO OBJETO DE INTERVENÇÃO


Após a linha de raciocínio e a delimitação das metas, o projeto deverá ser adequado para os adolescentes que fazem parte do ciclo escolar, bem como os pais desses indivíduos, assim como os riscos negativos e positivos do seu envolvimento, das perspectivas para o seu crescimento ou decadência, da aplicabilidade de atividades que venham ao encontro do grupo, e especialmente a conexão de toda a escola com os alunos e seus pais, estratégias e atividades extra-classe essenciais para o despertar e o envolvimento do grupo a fim de evitar a violência, os vícios e atingir um bom relacionamento em grupo.

Os adolescentes em geral vêm abusando das drogas e suas situações de risco, bem como a exposição constante às doenças sexualmente transmissíveis ao compartilhamento de materiais de consumo. Também nos deparamos com a precocidade dos adolescentes às descobertas do sexo ou a curiosidade em experimentá-las muito cedo.

Estes deslizes abreviam fases do crescimento da vida das crianças, e o ingresso no mundo dos adultos acarreta consequências drásticas no seu processo de crescimento, além de afetar as mudanças corporais e psicológicas, criando uma nova relação com os pais e o mundo. A necessidade do adolescente em conhecer o seu próprio corpo e explorar sua relação com o corpo do outro, gera comportamentos sexuais desapropriados, por isso uma necessidade imediata da mobilidade do corpo docente, pais, profissionais de saúde e pesquisadores para formarem e informarem sobre os risco e dependências dos deslizes cometidos por eles.

Diante desta realidade, nossa escola deve ser um espaço que favoreça à classe com ações participativas de construção e realização – tanto para educadores, como alunos e comunidade externa – de prevenção, discussão e conscientização do papel que cada um desempenha no seu processo de formação do indivíduo, incentivar a construção de projetos de estímulo vida, e jamais o fracasso escolar ou a exclusão. Neste pensamento concordamos que o corpo docente e diretivo deve criar situações pedagógicas para promover mudanças necessárias ao bom relacionamento pessoal e familiar, projetar ações para derrubar as barreiras existentes no tradicionalismo escolar, orientar e acompanhar as transformações psicológicas, corporais e cognitivas, diminuir os espaços existentes entre professor e aluno, estabelecendo uma relação de confiança e não de poder.


A realização do acolhimento e da socialização dos alunos pressupõe o enraizamento da escola na comunidade. A interação entre equipe, escola, alunos, pais, e outros agentes educativos que possibilitam a construção de projetos que visam melhorias para completar a formação do aluno. A separação entre a escola e a comunidade fica demarcada pelas atribuições e responsabilidades, e não pela realização apenas de um projeto comum. (MARQUES, 2000, p.18).


A maioria dos educadores, ainda, não está preparada para enfrentar os problemas da sexualidade precoce e mais ainda o uso de drogas entre seus alunos. O que deve ser trabalhado é uma educação preventiva e eficaz, identificando cada situação e o nível de envolvimento, qual a relação destes jovens com a droga e o tipo ou reação, quais caminhos que os adolescentes irão enfrentar diante de uma gravidez precoce, que riscos cada um estará enfrentando diante de não se prevenir e quais comportamentos e atitudes se deve tomar. A educação escolar deverá estar ligada em todos os acontecimentos e transformações de cada indivíduo ou grupo, promover projetos ou eventos para amenizar as desigualdades sociais e culturais, ações práticas que não fiquem apenas no papel e sim promovam a integração.


    1. Sexualidade Precoce:


As meninas brasileiras estão menstruando e iniciando sua vida sexual cada vez mais cedo. Vários fatores, desde o clima tropical e a alimentação do mundo industrializado até a erotização provocada pela permissividade dos programas de televisão levam a mudanças hormonais que promovem o amadurecimento antecipado dos elementos ligados ao desejo sexual e ao aparelho reprodutivo dos púberes. Em uma sociedade moderna, em que os pais trabalham fora e a escola é insuficiente para acompanhar o desenvolvimento da sexualidade dos adolescentes, o problema torna-se preocupante, pois, por falta de informações, suas relações sexuais, sem proteção, podem resultar em gravidez indesejada, além de doenças sexualmente transmissíveis.


      1. Causas:

- Ausência de diálogo com os pais sobre vida sexual;

- Início precoce das atividades sexuais, por influência da mídia e do grupo de amigos;

- Confusão entre amor e sexualidade por parte de ambos os parceiros;

- Falta de informações sobre reprodução e sobre métodos anticoncepcionais;

- Resistência ao uso de preservativos;

- Necessidade de auto-afirmação;

- Rebeldia contra a família;

- Falta de perspectivas pessoais e profissionais.


    1. Drogadição


Droga é toda e qualquer substância, natural ou sintética que, introduzida no organismo modifica suas funções. O termo droga, presta-se a várias interpretações, mas ao senso comum é uma substância proibida, de uso ilegal e nocivo ao indivíduo, modificando-lhe as funções, as sensações, o humor e o comportamento.

A sociedade está enfrentando um grande problema em relação às drogas, muitos são os jovens, que buscam nas substancias entorpecente, medicamentos, coragem, euforia entre outros prazeres, sendo que as mesmas em contrapartida, trazem como efeito colateral a falta de interesse por assuntos referentes a sociedade, memória fraca dificuldade de expressão oral, alterações no comportamento, humor etc.


    1. Dependência


Conjunto de fenômenos comportamentais, cognitivos e fisiológicos que se desenvolvem após repetido consumo de uma substância psicoativa, tipicamente associado ao desejo poderoso de tomar droga, à dificuldade de controlar o consumo, à utilização persistente apesar das suas consequências nefastas.


    1. Características:


- Forte desejo ou compulsão para usar a substância;

- Dificuldade em controlar o consumo da substância, em termos de início, término e quantidade;

- Presença de tolerância, evidenciada pela necessidade de aumentar a quantidade para obter o mesmo efeito anterior;

- Persistência no uso, apesar das diversas consequências danosas.


    1. Educação Escolar


É certo que a escola deve apresentar condições adequadas para que ocorra o processo de educação escolar, tanto física como organizacionais para funcionar, mas isso não basta. É preciso que algumas dessas condições existam a priori, como um corpo docente, salas e mobiliário adequados ao número de alunos, salas de aula, sala ambiente de leitura e informática, e que seu caráter de funcionalidade seja consequência das relações democráticas vividas em seu interior, propiciando aos jovens conhecer o mundo e suas contradições, o que lhes possibilitará apropriação e transformação, um verdadeiro compromisso ético-existencial, algo prazeroso à todos os educadores e educandos.


4. OBJETIVO GERAL


Desenvolver estratégias de enfrentamento da violência na escola, orientando e prevenindo os alunos quanto à sexualidade precoce e suas consequências; e a drogadição e seus malefícios.


5. OBJETIVOS ESPECÍFICOS


  1. Realizar ações ou mecanismos para orientação e prevenção dos adolescentes, que envolva toda a comunidade escolar e os pais, instituindo uma cultura de orientação e prevenção;

  2. Buscar a participação dos alunos a fim de preencher as lacunas existentes em decorrência de suas ações ou atitudes (drogas e sua problemática, gravidez precoce e seus riscos, falta de “apetite” escolar, descrédito das instituições públicas);

  3. Procurar apoio nas instituições e órgãos públicos municipais ou estaduais que trabalham a prevenção e criem mecanismos de inserção social; melhoria de saúde e, principalmente, qualidade de vida, com dignidade, sem discriminações de etnias, classe social, gênero, orientação sexual, dentre outros;

  4. Sensibilizar o corpo docente e a comunidade no sentido de buscar ações que reduzam a sexualidade, precoce e irresponsável, e a drogadição.


6. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS


O presente projeto visa uma série de ações que promovam saúde, qualidade de vida, prevenção de doenças e condutas típicas (uso de drogas lícitas e ilícitas), melhoria no rendimento e aquisição de aprendizado na escola. Estas ações quando bem planejadas sejam elas aplicadas em projetos, eventos ou palestras, deverão ser acompanhadas por uma equipe gestora da escola, bem como um acompanhamento de uma dupla pedagógica lotada na subsecretaria estadual de educação, onde acompanhará através de anotações, planilhas e relatórios os resultados alcançados. Além destes profissionais, os pais, os alunos e também os órgãos competentes envolvidos deverão apresentar soluções para os fatores de proteção e risco da saúde e na sexualidade precoce, o consumismo das drogas, além de despertar um novo rendimento escolar como resposta de uma nova proposta a ser conquistada através de novos comportamentos, atitudes e ações dentro e fora do seu ambiente escolar.


7. PÚBLICO ALVO


Pais e alunos adolescentes que fazem parte da nossa comunidade, compreendidos numa faixa etária de 11 a 17 anos.


8. METAS A ATINGIR


Incorporar os temas do projeto no planejamento de todos os professores e disciplinas.

Introduzir a prática de prevenção no cotidiano escolar.

Incentivar a participação dos alunos e funcionários, bem como voluntários da comunidade, especialmente os pais de alunos.

Colocar em prática as ações do projeto para promoção da saúde, prevenção da sexualidade precoce embasados em dados falados e escritos, visando uma melhoria na qualidade da aprendizagem escolar.


9. AVALIAÇÃO E CONTROLE


Reunir a equipe pedagógica da escola no final de cada etapa a fim de elaborar relatórios, gráficos ou planilhas com o rendimento ou evolução dos alunos, até mesmo a redefinição de novas ações.


10. CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES

CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES NO ANO DE 2010



Atividades


Meses

Jun.

X

Jul.

Ago.

Set.

Out.

Nov.

Dez.

  1. Implantação

X

X






  1. Execução



X

X




  1. Avaliação e Controle





X

X


  1. Redefinição/ Ajustamento

do projeto após a avaliação







X



10.1 Implantação: Agosto / 2010


10.2 Execução: Agosto a dezembro / 2010


10.3 Avaliação e Controle: Outubro e novembro / 2010


10.4 Redefinição/Ajustamento do projeto após a avaliação: Novembro / 2010



11. RECURSOS


11.1 Humanos:

Professores, coordenadores pedagógicos, dinamizadores da biblioteca e laboratórios de informática, gestores, médicos e psicólogos palestrantes, ou seja, profissionais que convivem e participam e conhecem a realidade do município.


11.2 Materiais/Financeiros

DESCRIÇÃO DE MATERIAL DE CONSUMO

REF.

QTDE

UNITÁRIO

TOTAL

Caneta Big Cristal Cores

Uni.

100

R$ 0,70

R$ 70,00

Cartolina Cores Sortidas

Fl.

50

R$ 0,50

R$ 25,00

Cartucho HP 21 Preto

Uni.

2

R$ 65,00

R$ 130,00

Cartucho HP 22 Colorido

Uni.

2

R$ 65,00

R$ 130,00

Lápis Grafite Preto Faber Sextavado

Uni.

50

R$ 0,70

R$ 35,00

Papel Chamex/Copim/Report A4 210

Uni.

2

R$ 12,50

R$ 25,00

Papel Crepon Josan Cores

Uni.

50

R$ 0,50

R$ 25,00

Pincel Atômico Marcador Visit

Uni.

20

R$ 1,10

R$ 22,00

Pincel P. Chato Ref. 81504 Tigr

Uni.

10

R$ 1,70

R$ 17,00






TOTAL




R$ 479,00


DESCRIÇÃO DE ALIMENTOS

UNID.

QTDE

UNITÁRIO

TOTAL

Carne Moída

Kg

10

R$ 7,00

R$ 70,00

Cebola

Kg

3

R$ 3,00

R$ 9,00

Copos Descartáveis 200 ml

Cento

3

R$ 3,00

R$ 9,00

Extrato de Tomate

Kg

2

R$ 4,50

R$ 9,00

Pães

Un

300

R$ 0,30

R$ 90,00

Pimentão

Kg

2

R$ 3,50

R$ 7,00

Saquinhos Descartáveis

Cento

3

R$ 1,50

R$ 4,50

Tempero Completo

Kg

1

R$ 5,50

R$ 5,50






TOTAL




R$ 204,00






















12. REFERÊNCIAS


ABADI, S. Adolescência e drogas: um sintoma na cultura. In: Psicanálise da Civilização, nº 4, 1991, p. 603-613.


ABERASTURY, A.; KNOBEL, M. Adolescência Normal. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.


ARIES, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2. ed. Rio de Janeiro: LCT, 1981.


BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria Nacional Antidrogas. Curso de Prevenção do Uso de Drogas para Educadores de Escolas Públicas. Brasília: UnB, 2006.


ESTRELA, Maria Teresa. Relação Pedagógica, Disciplina e Indisciplina na Sala de Aula. Portugal: Porto Editora, 1994.


KLEIMAN, Ângela B.; MORAES, Silvia E. Leitura e interdisciplinaridade: tecendo redes nos projetos da escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1999.


MACEDO, L. de. Ensaios Pedagógicos: como construir uma escola para todos? Porto Alegre: Artmed, 2005.


______. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.


MARQUES, 2000, p.18. (MARQUES, L. R. Projeto político pedagógico: construindo a autonomia da escola pública? As representações sociais dos conselheiros. 2000. Dissertação (Mestrado em Educação)-Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2000)


PERGHER, N. K.; RIBEIRO, T. W.; TOROSSIAN, S. D. Drogas e Adolescência: uma análise da ideologia presente na mídia escrita destinada ao grande público. In: Psicologia Reflexão e Crítica. 2005.


STEINBERG, L. Adolescência. São Paulo: MacGraw-Hill,1996.


V Levantamento Nacional Sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública de Ensino (2004). Secretaria Nacional Antidrogas – Senad e Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas – Cebrid.

26 de jun de 2010


Myspace Bubbles Note Generator

25 de jun de 2010

Breakfast with students



24 de jun de 2010

Homenagem à Maria do Carmo do Nascimento

Projeto Horta!


Secretaria de Estado da Educação(SEE)
Núcleo Tecnológico Educacional(NTE)
Curso Técnico de Formação para os Funcionários da Educação(PROFUNCIONÁRIO)













PROJETO



HORTA ESCOLAR









Formosa, 26 de junho de 2010





IDENTIFICAÇÃO


Escola a ser desenvolvido o projeto: Escola Estadual Presidente Vargas
Curso: Profuncionário
Técnico em: Alimentação Escolar
Cursista: Maria do Carmo do Nascimento
Tutora: Maria das Graças Braga
Professora Formadora: Marlene Pereira de Aparecida




ÍNDICE


• Integração........................................................................................Pág. 1
• Introdução........................................................................................Pág. 2
• Objetivos...........................................................................................Pág. 3
• Metodologia......................................................................................Pág. 4
• Cronograma......................................................................................Pág. 5
• Recursos Necessários........................................................................Pág. 6
• Resultado Esperado..........................................................................Pág. 7
• Avaliação............................................................................................Pág. 8
• Bibliografia.........................................................................................Pág. 9
• Anexos.................................................................................................Pág. 10




INTEGRAÇÃO



Há grande envolvimento dos segmentos da escola no projeto, como: diretor, gerente de merenda, professores, alunos, auxiliar de serviços gerais e auxiliar de secretaria.



INTRODUÇÃO


A horta escolar é primordial em uma unidade escolar, pois acrescenta grandes valores na alimentação servida ao aluno. Este projeto tem o intuito de despertar na comunidade local a importância de ter essa horta, de cultivá-la e de colher frutos. Para que isso ocorra é necessário o envolvimento de todos.
Ressalto que a escola funciona em período integral, tornando fundamental a execução desse projeto para acrescentar e valorizar a alimentação, em especial o almoço.



OBJETIVOS GERAL


Dar continuidade ao projeto da horta escolar, implantado no ano letivo 2009 , que se tornou peça fundamental na unidade escolar, sempre contando com o apoio de toda comunidade local, no sentido de mantê-la com cuidados diários.

METODOLOGIA

Com a grande aceitação e necessidade da horta na unidade escolar se fez necessário dar continuidade ao projeto.
A manutenção no que se trata da capina é feita constantemente no decorrer da execução do projeto.
Inicialmente foi feita melhoria nos três canteiros existentes, aumentando o tamanho e reposição de adubos orgânicos.
O preparo dos canteiros foram finalizadas, iniciando a semeadura de coentro, alface, rúcula, cebolinha, etc.
Durante todo tempo é feita a manutenção e irrigação até chegar o momento da colheita. Após a colheita, ocorre nova adubação, consequentemente nova semeadura de beterraba, cenoura, tomate, couve,etc, assim repetindo todo processo anterior.
Foi colhido satisfatoriamente os itens semeados, que serviram no enriquecimento da alimentação dos alunos que almoçam nesta unidade escolar diariamente , devido o funcionamento ser de tempo integral.
A manutenção da horta é tarefa de todos da unidade escolar, por isso é de fundamental importância a colaboração.
Intercalando os cuidados com a horta exerço minhas funções diárias como:
• Confeccionando lanches especiais;
• Enroladinho de carne;
• Uma tarde de beiju;
• Tortas;
• Bolos com cobertura,etc;
• Limpeza da Unidade Escolar 4

CRONOGRAMA




Atividades Previstas Meses
ag
Planejamento, organização e proposta ao grupo gestor.
Início das atividades práticas como: limpeza da área, com parceria da prefeitura.
Construção dos canteiros e da cerca de tela com envolvimento de alunos da Eja
Manutenção: capina, semeadura, irrigação e curso de horticultura escolar.
Manutenção: irrigação, plantio de mudas e a primeira colheita com envolvimento dos alunos.
Manutenção: Capina e irrigação com a colaboração dos guardas.


RECURSOS NECESSÁRIOS

MATERIAIS

• Enxada
• Pá
• Carrinho de mão
• Rastelo
• Sementes
• Adubo orgânico




HUMANOS



• Servidores
• Alunos do 6º e 9º ano



RESULTADO ESPERADO


• Colheitas de hortaliças fresquinhas que servirão para valorizar ainda mais a alimentação dos alunos que permanecem na escola de tempo integral;
• Envolvimento da comunidade local.
• Despertar a importância do plantio sem a atualização de adubos químicos.


AVALIAÇÃO


Felizmente o projeto obteve grande aceitação da comunidade escolar.
Conscientização dos alunos, quanto a importância da horta na escola ou em casa, com verduras sem agrotóxicos.
Houve várias colheitas de hortaliças durante a execução do projeto, valorizando a alimentação dos alunos desta unidade escolar.
Aumentou ainda mais o consumo de hortaliça servidas no almoço. Foi possível perceber a satisfação no momento do consumo, pois é fruto plantado e colhido por eles mesmos.



BIBLIOGRAFIA



• Apostila do Curso de Horticultura
• Curso de Horticultura Escolar
• Módulo 16(Cardápios Saudáveis)



ANEXOS

• Fotos
• Apostila do Curso de Horticultura Escolar
• Ficha de Registro das Atividades Práticas
• Depoimentos de alunos




 
Template Free por Cantinho do Blog.Quer um template personalizado para o seu blog? Clique Aqui »